Sobrevivência: não é para os fracos!

Sobrevivência: não é para os fracos!

Modalidade obrigatória nos cursos de Comissário de Voo, a Prática de Sobrevivência na Selva não é igual em todas as escolas. Enquanto em algumas os ensinamentos acontecem através de conversas, principalmente devido ao grande número de alunos por atividade, aqui na FLIGHT tudo é feito, como diz o nome, com prática!
Encarar água gelada em pleno inverno, as dificuldades de um espaço tomado por fumaça, ter que matar a fome com um animal que aprendemos a descamisar (tirar as penas), tudo isso em um ambiente de mata e em condições meteorológicas adversas, com escassez de alimentos e onde o trabalho em equipe é fundamental, é uma experiência que agrega, e muito, à formação. “Fazemos questão de deixar a vivência o mais natural possível, pois em uma situação real esses profissionais não terão retaguarda”, explica Aneli Lisboa, diretora da instituição. Claro que ninguém está em perigo: existe uma estrutura por trás, que envolve corpo técnico especializado e assistência, sem falar no enorme planejamento por trás de cada final de semana de exercícios.
A prática acontece, em média, três vezes por ano. São no máximo 40 alunos por viagem, que dura em torno de 18horas e inclui as atividades orientação diurna, primeiros socorros, Casa da Fumaça, preparo de alimento, armadilhas, marinharia entre outros.